Após Correios, mais empresas devem aumentar concorrência no setor de teles

Correios lançam telefonia móvel FOLHA PERNAMBUCO

19/1/17

Vendas de chips pré-pagos será iniciada ainda este ano e, em 2018, começa operação com pós

Os Correios vão entrar em um novo ramo de negócios no próximo mês: o da telefonia móvel. A empresa vai vender chips para celular em parceria com a EUTV, prestadora de serviço móvel pessoal autorizada pela Agência Nacional de Telecomunicações (Anatel), que vai fornecer a rede de telecomunicações da operadora estatal, a Correios Celular. E o serviço deve ser vendido a preços mais baixos que os do mercado. “O objetivo é alcançar pessoas que ainda não dispõem de acesso móvel e aqueles que buscam por serviços de qualidade ainda não atendidos pelas atuais prestadoras”, explicou o vice-presidente da rede de Agências e Varejo dos Correios, Cristiano Morbach. Ele não revelou o preço estimado para o chip, mas garantiu que o “serviço será competitivo com o que o mercado vem oferecendo e estará entre os mais baratos”. Os Correios ainda prometem planos de fácil compreensão e uma cobertura uniforme em todo o território nacional.

​ Neste primeiro ano de atuação da operadora estatal, no entanto, serão vendidos apenas chips pré-pago, recarregáveis. Só em 2018 será avaliada a possibilidade de venda de planos pós-pagos. No início de 2017, o Correios Celular também não estará disponível em todo o Brasil. Em fevereiro, o serviço será lançado em São Paulo e logo depois em Belo Horizonte e Brasília. O cronograma de implantação nos outros estados brasileiros não foi relevado, mas a empresa promete estar em todo o País até setembro. Com isso, os Correios pretendem aumentar sua arrecadação em R$ 300 milhões nos próximos cinco anos. Só em 2017, espera-se uma receita de R$ 4,5 milhões da venda dos chips e mais R$ 8,1 milhões das recargas.

Segundo Morbach, esse montante será aplicado em diversas áreas da empresa, que acaba de abrir inscrições para um Plano de Demissão Voluntária (PDV) a fim de reduzir gastos de R$ 800 milhões por ano.

​ O contrato assinado com a EUTV não exigiu investimentos públicos. A EUTV, empresa brasileira que atua na Angola, se comprometeu a fornecer toda a infraestrutura de telecomunicações e tecnologia do serviço. Em contrapartida, os Correios vão imprimir sua marca ao produto.

A estatal ainda vai fornecer sua rede corporativa, de agências e de funcionários para a venda dos chips. “A EUTV foi selecionada em processo público realizado pelos Correios, no qual ofereceu a melhor proposta”, esclarece Morbach.

A estatal ainda explicou que essa diversificação de atividades é permitida pela lei 12.490 de 2011. A telefonia foi escolhida pelos exemplos exitosos dos correios de países como Portugal, França, Alemanha e Itália.