Presidente dos Correios diz que encontrou a casa ‘bagunçada”

O Globo

26/01/2017

O presidente dos Correios, Guilherme Campos, disse nesta quinta-feira que encontrou a estatal “bagunçada” e que sua missão é recuperar a estatal. O desabafo foi feito diante do ministro do Planejamento, Dyogo de Oliveira, durante seminário sobre a nova lei das estatais e boas práticas na gestão pública.

Ao GLOBO, Campos disse que quer mudar a lei que obriga a universalização dos serviços dos Correios, ou seja, que estejam em todos os municípios. Para ele, a empresa precisa se adequar à realidade tecnológica e voltar a ter excelência em serviços como o Sedex.

Campos disse que recebeu do presidente Michel Temer a “missão”de recuperar a estatal e que isso só será possível se enfrentar a realidade. Ele afirmou ainda que o programa de demissão voluntária (PDV) já teve a adesão de 1.200 servidores, sendo que a meta é chegar de seis a oito mil no PDV. Os Correios têm 117 mil servidores, com presença em todos os municípios do país.

— Recebi a missão de recuperação da empresa. Só não avisaram que a Casa estava tão bagunçada. Mas vamos lá. Ë uma senhora empresa, tenho certeza de que vai se recuperar — disse Campos, que foi uma indicação política para o cargo.

Diante do desabafo, o ministro do Planejamento brincou:

— Se fosse outra a situação, chamava outro.

Ao ser perguntado sobre o desabafo, Campos disse:

— Não é desabafo, é a constatação da realidade.

Ele disse que o futuro dos Correios está numa nova logística, ancorada nos meios eletrônicos

— E o Sedex tem que voltar a ter aquela confiabilidade — disse ele.

Campos ainda disse que é preciso rediscutir a universalização dos serviços, já que hoje o serviço postal não é mais o centro das comunicações como no passado.

— Estamos discutindo mudar o arcabouço legal sobre a obrigatoriedade de presença em locais que hoje não são mais necessários — disse Campos AO GLOBO, ao final do encontro